sábado, 29 de setembro de 2018

ENCONTROS ENTRE FADAS E MORTAIS

Imagem Fonte: google.com

Texto de Lilly Rose. Inspirado e adaptado de
 "The Faerie Book", Samantha Grey,
Cico Books London New York 2008.
www.irishhedgerows.weebly.com

O.B.S: Atenção Mamães e Papais, o texto a seguir 
(bem como os demais deste Blog)
tratam as Fadas e afins do ponto de vista Esotérico.
Logo a leitura deve ser consentida e
 aprovada previamente por adultos. 

ENCONTROS ENTRE FADAS E MORTAIS 

Imagem Fonte: www.pinterest.com

De acordo com antigas Lendas Irlandesas,
 Mortais tem mais chances de encontrarem
 Fadas em determinados datas do Calendário do ano.
Nos dias de festa, as Fadinhas 
estão mais ativas do que o normal. E este entusiasmo desmedido, 
pode causar estragos ao nosso Mundo Mortal.
É bom lembrarmos que Fadas são muitas vezes, como crianças travessas.
 Nem sempre distinguem o certo do errado para nossos padrões.

Então se algum mortal desejar encontrar-se com uma Fada,
 prudência e respeito, são primordiais em tais circunstâncias.

Seguem aqui algumas datas significativas
do Calendário Feérico (das Fadas) porque,
 por um breve período de tempo, acreditam os Irlandeses que o véu entre
 os dois Mundos encontra-se mais fino, favorecendo contatos.
A Magia então, torna-se possível através da abertura de Portais.
 Ou seja, passagens encantadas que separam o Mundo Mortal
 do Mundo Feérico, podem ser acessadas. 
 .
15 de Março: Festival das Ninfas do Rio e das Fadas Aquáticas
 Este seria um dia desaconselhável para Mortais nadarem.

30 de Abril / 1º de Maio:   Dia de Beltane. 
Fadas saem de suas colinas na véspera de Maio 
para celebrar o Ancestral Festival de seu Reino.

4 de Maio: Para frustração das Fadas, este é o dia Irlandês 
 criado p/confundir as Fadinhas.
Assim reza a tradição, que elas não causarão 
(mesmo que involuntariamente) problemas às pessoas.

11 de Maio: Antigo Beltane: 
 Nesta ocasião Fadas Guardiãs preparam–se para protegerem os 
*Espinhos Negros.
Estes são p/ as Fadinhas, Árvores Sagradas, 
 portanto não permitirão que eles sejam cortados.


Imagem Fonte: Arquivos de Lilly Rose.
Pintura de Cicely Mary Barker

*Espinho Negro ou Blackthorn
Árvore típica da Irlanda, com grande quantidade de espinhos escuros. 
Começa a florescer no Inverno.
 Apesar de ser lembrada no Folclore Irlandês
como uma Árvore de maus presságios, 
o Blackthorn ou Espinho Negro é para as Fadas uma Árvore de Proteção
e representante do interminável Ciclo de Vida e Morte. 
Uma Fada em específico chamada Lunantishee  (ou ainda Leannán Sidhe)
 é responsável por sua proteção.


Imagem Fonte: www.flickr.com


 Uma Curiosidade:
No Conto "A Bela Adormecida"  
de Charles Perrault,
os espinhos que protegiam o Castelo de invasores, eram Árvores Blackthorn.

24 de Junho:  Solstício de Verão (iniciado em 21 de Junho), pelo Hemisfério Norte. 
A data passou a ser considerada como "Dia das Fadas". 
Nesta ocasião os Reis das Fadas, Oberon & Titânia junto
 a seu assistente Puck
 (ou Robin Good Fellow)
permitem aos Mortais, vislumbrarem respeitosamente, 
 o Reino das Fadas.

Atriz Michelle Pfeiffer como 
"Rainha Titânia" no filme 
"Sonhos de Uma Noite de Verão",1999
baseado na Obra Homônima de
William Shakespeare


7 de Agosto: As colinas e moradas das Fadas são reveladas nesta data.

29 de Setembro:  Os Portais se abrem entre os Reinos Humanos e das Fadas.

31 de Outubro:
Nesta data festeja-se em ambos os Reinos, o Halloween.

8 de novembro: Mais uma vez, as portas se abrem 
entre os Reinos Mortais e o das Fadas.

11 de Novembro: Festival do Espinho Negro das Fadas.

Merry Christmas Fairy
Fonte : www.deviantart.com


25 de dezembro: Dia do Natal. 
Esta data também é importante para as Fadas.
A razão mais provável: talvez elas percebam a alegria 
e fraternidade que envolvem o Reino Mortal nesta época.
Afinal Fadas amam músicas, festejos, risos e alegria genuínas !

Aromas de Rosas...
Lilly Rose

quinta-feira, 16 de agosto de 2018

O MISTÉRIO DAS FADAS DE COTTINGLEY

Texto de Lilly Rose inspirado e adaptado de Edward L. Gardner, “Fotos de Fadas (as fotografias de Cottingley)”, Editora Teosófica, 1982, Geoffrey Hodson, “ O Reino dos Devas e dos Espíritos da
 Natureza “, Editora Pensamento, 1999.  Sites: cottingley.net, wikipedia.org.
Fonte das Imagens: em ordem sequencial ao final deste post.

O MISTÉRIO DAS FADAS DE COTTINGLEY


A pequena Francis Griffiths e suas Fadas no Riacho de Cottingley, Inglaterra, 1917. 

No Ano de 1917 duas meninas inglesas de Yorkshire, as primas Elsie Wright (12 anos) e Francis Griffiths (8 anos), fotografaram num belo riacho do Vale de Cottingley, criaturas aparentemente não humanas. As imagens supostamente seriam de graciosas fadas. 

Segundo teosofistas e clarividentes, adolescentes sobretudo meninas, muitas vezes podem desenvolver mediunidade e clarividência involuntárias.


Da esquerda para a direita: Francis e Elsie no Riacho de Cottingley onde primeiramente teriam visualizado suas Fadas, Ano de 1921. 
A segunda imagem mostra o mesmo Riacho de Cottingley, nos dia atuais.  

A mãe de Elsie, Polly Wrigth, freqüentadora da Sociedade de Teosofia local, entusiasmada com as imagens, encaminhou-as então para o renomado teosofista inglês, Edward L. Gardner.

Este por sua vez mostrou-as ao escritor Sir Arthur Conan Doyle.
O criador do famoso investigador "Sherlock Holmes", tornara-se simpatizante do Espiritualismo e Teosofia.  E ficou totalmente fascinado com as fotos.
Por estas e outras razões, apoiou firmemente a veracidade das imagens que Edward Gardner lhe mostrou.
E ainda fez questão de conhecer pessoalmente as pequenas Elsie e Francis em Cottingley, ao lado de Gardner.

Da esquerda para a direita:  O Escritor Sir Arthur Conan Doyle
 e o Teosofista Edward Lewis Gardner.

Juntos, estes dois renomados cavalheiros ingleses passaram boa parte de suas vidas tentando comprovar a autenticidade das 2 fotos iniciais ( feitas em 1917), e de outras 3 que seriam obtidas mais tarde no ano de 1920, no mesmo Vale de Cottingley, por Elsie e Francis.

Doyle e Gardner, levaram os negativos das imagens obtidas pelas meninas p/serem analisados pelos melhores especialistas em fotografia da época.
O primeiro perito escolhido foi um renomado fotógrafo e ampliador comercial inglês,
 Mr. Harold. Snellin, morador de Wealstone - Middx.

Snellin examinou detalhadamente os negativos e concluiu que tratavam-se de imagens de
 exposição única, sem retoques. 
E de seu trabalho, surgiria  um certificado  de autenticidade às fotos de Elsie e Francis.  
Em seguida, Doyle e Gardner encaminharam novamente os negativos à equipe do então dono e fundador da Kodak, Mr. Eastman Kodak.
Seus peritos não conseguiram comprovar falhas técnicas nas 5 imagens obtidas,
 que foram analisadas minuciosamente pela equipe Kodak.

Mesmo assim a Empresa manteve prudência e cautela. 
Ou seja, não quis comprometer-se com tamanha polêmica, e na ocasião não deu um certificado de autenticidade às fotos.
Mas não têve como negar que as imagens eram o resultado de exposições simples (únicas), com chapas sem sinais de falsificação. 
Contudo, não descartou a hipótese de que as meninas poderiam ter recebido o auxílio de algum perito habilidoso em montagens fotográficas.
Esta hipótese  foi logo descartada por teosofistas e o público em geral, que de fato apaixonaram-se pelas imagens e suas pequeninas autoras.

Com certeza , Elsie e Francis em sua inocência jamais imaginariam a repercussão que suas fotos
trariam ao mundo.
 Imagens feitas por duas meninas que simplesmente amavam fadas...

Graças à influência de Sir. A.Conan Doyle as fotos foram publicadas em revistas populares da época  (como a  The Strand Magazine), e as imagens tornaram-se mundialmente conhecidas.


Da esquerda para a direita: Capa da popular revista inglesa "The Strand Magazine"
publicada em 20 de Dezembro de 1920, esta edição trazia as 2 primeiras fotos de Fadas , feitas por
Elsie e Francis em 1917.
  A segunda capa, publicada Março de 1921, trazia as 3 novas e últimas fotos de Fadas, feitas por Elsie e Francis em 1920.  Nas edições da "The Strand Magazine",
 a verdadeira identidade das meninas e o local onde moravam,  foram preservados.
A terceira capa refere-se ao livro de Sir Arthur Conan Doyle, publicado em 1922, na obra ele escreve sobre o tema das Fadas, inspirando-se claramente nas fotos de Elsie e Francis.
     
Doyle também escreveria um livro em 1922 sobre o tema, já com os nomes verdadeiros
 das meninas, com a permissão das respecitvas famílias.
A obra de Conan Doyle foi entitulada “The Coming of the Fairies”.
Toda esta exposição acabou colocando Yorkshire no mapa para sempre!
O outrora pacato Vale de Cottingley , rapidamente tornou-se local de visitação p/ curiosos, repórteres e estudiosos.
Elsie e Francis também eram facilmente reconhecidas pelo público através da imprensa.
Ambas foram consideradas autênticas videntes por E. L. Gardner e pelo clarividente Geoffrey Hodson. 
Este último também conheceu as meninas e têve certeza de que ambas possuíam dons de clarividência como relata em seu livro" O Reino dos Devas e Espíritos da Natureza".
E assim querendo ou não, as pequenas de Yorkshire tornaram-se famosas.

Desde então, as primas ficariam associadas às polêmicas fotos de Cottingley.
E estas imagens, afetariam para sempre o rumo de suas vidas.


Da esquerda para a direita: Elsie Wright em 1917,  em seguida, um modelo de câmera similar (Butcher 1/4)
  ao utilizado pelas meninas para fotografarem fadas. 
E em terceiro lugar, a pequena  Francis Griffiths em 1917.

Anos mais tarde já idosas, elas admitiram que as fotos eram apenas recortes de fadas em papelão, presas às folhagens com alfinetes.
Para os céticos isto foi o suficiente, mas para espiritualistas e o público, não.
Teosofistas e esoteristas que defendiam a veracidade destas fotos, acreditavam que Elsie e Francis assim procederam, para preservarem o Vale e suas Fadas, de curiosos e exploradores.

O tempo  passava. ...e fotógrafos, céticos e teosofistas não chegavam a uma conclusão. 
As opiniões sempre divergiam em algum ponto e as dúvidas persistiram por anos. 
E mesmo com a confissão de Elsie e Francis  já adultas,  o mistério continuou e agregou  
 também o fascínio que toda a história remetia. 


Uma  bela vista do arvoredo  próximo ao riacho de Cottingley,
 mostrando um  círculo ou anel de Fadas.

As imagens tocaram profundamente o imaginário coletivo britânico.
 Elas evocavam nas pessoas, esperança e pureza. 
Sentimentos adormecidos num período extremamente duro p/a Europa do começo do Seculo XX, 
a Primeira  Guerra Mundial.

Por esta e tantas outras razões,  as fotos das Fadas de Cottingley ainda hoje despertam encanto e suscitam intermináveis discussões.
E suas autoras, as primas Elsie (1901- 1988) e Francis (1907- 1986), para sempre serão lembradas como as delicadas inglesinhas que fotografaram Fadas.


AS FOTOS DAS FADAS DE COTTINGLEY FEITAS PELAS PRIMAS ELSIE E FRANCIS ENTRE 1917 A 1920


FOTOGRAFIA NÚMERO 1 - FRANCIS E AS FADAS


Fotografia tirada por Elsie, em julho de 1917. Câmera Midg Quarter. Distância aproximada: 
1 1/2 metros. Tempo: 1,5 m de segundo. Dia de Sol.


FOTOGRAFIA NÚMERO 2 - ELSIE E O GNOMO


Fotografia tirada por Francis, em Setembro de 1917. Câmera: Midg Quarter.

FOTOGRAFIA NÚMERO 3 - FRANCIS E A FADA SALTITANTE


Fotografia tirada por Elsie, em agosto de 1920. Câmera: Cameo Quarter.

FOTOGRAFIA NÚMERO 4 - FADA OFERECENDO UMA FLOR A ELSIE


Fotografia tirada por Francis em 1920. Câmera: Cameo Quarter.


FOTOGRAFIA NÚMERO 5 - AS FADAS E SEU BANHO DE SOL


Fotografia tirada por Elsie, em 1920. Câmera Cameo Quarter.

O.B.S: Se você gostou da fascinante história das 
Fadas de Cottingley acesse o Site
REFLECTIONS ON THE COTTINGLEY FAIRIES
 
E assista também o filme“O Encanto das Fadas” (Fairy Tale: A True Story) produzido em 1997.

IMAGENS DO FILME "O ENCANTO DAS FADAS" ou "
FAIRY TALE: A TRUE STORY" - ANO DE PRODUÇÃO 1997


Elsie Wrigth (Atriz Florence Hoath) encontra a Rainha das Fadas, em seu quarto.



Francis Griffiths (Atriz Elizabeth Earl) encontra um Elemental das Águas no riacho de Cottingley.

FONTES DAS IMAGENS INSERIDAS NESTE POST EM ORDEM SEQUENCIAL

Arquivos de Lilly Rose, www.thegalaxyexpress.com, www.cottingley.net, www.enwikipedia.org, www.tswiki.net, www.worldpress.com, www.worldpress.com, www.worldpress.com,
 www.cottingley.net, www.cottingley.net, www.cottingley.net,
www.stone-circles.org.uk, Arquivos de Lilly Rose, Arquivos de Lilly Rose, Arquivos de Lilly Rose, Arquivos de Lilly Rose, Arquivos de Lilly Rose, www.cdnstatic.com, www.cdnstatic.com

Aromas de Rosas...
Lilly Rose

quinta-feira, 2 de agosto de 2018

VENHA SAUDAR A PRIMAVERA COM AS GRACIOSAS FADAS DAS FLORES

Texto de Lilly Rose. Inspirado e Adaptado de Alejandra Ramírez, El Gran Libro de Las Hadas, Editora Ibsa e www.en.wikipedia.org - Imagens todas da Autoria de Cicely Mary Barker, Fonte: www.worldpress.com

Imagem- Layout By Fairy

Dentre as diversas categorias de Fadas, uma das mais bela sem dúvida é a categoria das "Fadas das Flores".

Esta é composta por um numeroso grupo de Fadinhas de porte delicado e diminuto.
Por sua graciosidade e beleza infantis, provavelmente entre as Fadas, são as favoritas dos grandes artistas.

Durante séculos, as flores têm servido como ponte de união entre o mágico Mundo das Fadas e o Mundo dos Mortais.

Nas flores, mesclam-se beleza, cores e o perfume, tão apreciados por ambos os Mundos.

Fadas como nós Mortais, não resistem aos encantos das belas flores. - "The Heliotrope Fairy".

É tão grande a paixão que as Fadas sentem pelas flores, que elas não podem evitar os locais onde as mesmas se encontram.

Portanto, aqueles que desejarem atrair estas Fadinhas (para delas por exemplo, obter sorte) devem encher sua casa, com vistosos e coloridos arranjos florais.

As Fadas das Flores são representadas tal qual crianças de pouca idade.
Vestem-se com pétalas florais e possuem asas, semelhantes às de uma borboleta.
Às vezes, estes diminutos seres, usam também um pequeno chapéu; que não é nada mais que uma delicada flor, colocada sobre a cabeça.

Uma pequena Fada e seu belo chapéuzinho com pétala
de flores. - "The Canterbury Bell Fairy".

Embora algumas vezes façam isto para divertirem-se, não é um capricho que escolham pétalas de flores como vestido. Além da ernorme alegria que isto lhes traz, tal vestuário confunde-as com a Natureza. Desta forma, correm menor risco de serem descobertas pelo Ser Humano.

Dentro da grande variedade de flores, estas Fadinhas preferem aquelas de maior colorido. Neste grupo podemos destacar as rosas, lírios, margaridas, as campainhas ou sininhos e as violetas.

Fadas das Flores possuem asas semelhante às de uma borboleta. Esta acima, carrega alegremente suas flores favoritas, como as Margaridas.

A grande semelhança destes graciosos seres com crianças, estabelece com as mesmas, um vínculo muito especial.
Pois tal qual nossos pequenos, as Fadas da Flores são igualmente diminutas, ternas e inocentes.
Adoram brincar com pequenos animais, disfarçando-se por entre a relva, ou pulando e vibrando umas com as outras.

Três Fadinhas Bebês brincam com pequenos animais, por entre as flores.

São também mestras em confecionarem instrumentos musicais. Para aqueles que têm sorte é possivel vê-las então, cantando e dançando alegremente por entre as flores.

Uma Festiva Orquestra de Fadas das Flores. - "Fairies Orchertra"

O tamanho que apresentam, de facto é diminuto. No máximo com 4 cm de altura.
Em ocasiões de celebrações, pequenos grupos podem ser avistados, levantando suas mãozinhas, ou cantando em suas graciosas "orquestras".

A diminuta Fada Floral e sua amada Flor "Dente de Leão"

Além de possuírem um forte vínculo de proteção para com suas amadas flores, tais Fadinhas mantêm uma vida comunal. Seu entretenimento favorito é formarem círculos de músicas angelicais, alegres e coloridos.

Fadas divertem-se ao dançarem juntas, pois amam a vida comunal. - "Dancing Fairies"

Das flores, elas conhecem todos os seus segredos, bem como sua linguagem.
Comunicam-se com elas em sua própria língua.

Quando encontram alguém que julguem digno de sua confiança, partilham este conhecimento com o Homem.

Além da amarem as flores, Fadas Florais são muito zelosas com suas pequenas irmãzinhas. Desde cedo aprendem a linguagem e os segredos das Flores. - "The Sweet Pea, Fairies"

Explicando-lhe poderes mágicos, efeitos curativos, ou ensinando-lhe algum feitiço, que tenham aprendido das Bruxas.

Normalmente cada Fadinha escolhe uma flor, com a qual mais se identifica.
Feita a escolha irá enfeitar seu corpo com as petálas da referida flor. À noite, a mesma será seu aconchegante leito. E ao amanhecer, despertará com o orvalho.

O amor de uma Fada por sua Flor predileta, é sempre um momento de grande doçura e magia.- "The Rose Fairy".

Este é o gracioso ciclo de vida de uma Fada das Flores. Ele finda-se apenas quando o corpo da referida Fadinha estiver pronto para galgar mais um degrau, na Hierarquia Etérica.


CICELY MARY BARKER (28/06/1895 - 16/02/1973)

Cicely Mary Barker, a ilustradora de Fadas inglesa, mais famosa do Século XX.

Imagem-Layout By Fairy
A inglesa Cicely Mary Barker tornou-se no início do Século XX, mundialmente conhecida por suas belas ilustrações sobre Fadas e Flores.

Também nos dias atuais, suas obra são amplamente apreciadas por adultos e crianças.
E utilizadas em livros do gênero infanto-juvenil, quando os temas são fadas ou flores.

Com um talento nato para o desenho, a então menina Cicely fez um curso de ilustrações por correspondência, na Escola Croydon de Arte.

Seu primeiro trabalho profisssional consistiu em criar delicados cartões e ilustrações, para revistas juvenis.

O sucesso e aceitação foram tamanhos, que logo Barker lançaria seu primeiro livro.
Este chamou-se "Fadas das Flores da Primavera" e foi publicado no ano de 1923.

A primeira grande publicação de Cicely Barker, seu livro
"Flower Fairies of The Spring".

A partir de então, dezenas de livros similares foram publicados por Cicely, nas décadas seguintes. Um merecido destaque para: Fadas das Flores do Verão, do Outono e do Inverno.

O traçado de seus desenhos tornou-se clássico, suave, gracioso e inconfundível.
Até hoje, muitos livros sobre Fadas, apresentam as famosas ilustrações da talentosa Cicely Mary Barker.


Aromas de Rosas...

Lilly Rose