sábado, 12 de setembro de 2009

" AS FADAS DOS TROPÉIS E SEU BELO REINO"

AS FADAS DOS TROPÉIS E SEU BELO REINO


Texto adaptado dos Estudos de Lilly Rose sobre Elementais, e de Ted Andrews, 
O Encanto do Mundo das Fadas, Editora Record.
Imagem "Senhor dos Aneis" Fonte:www.google.com - 
Aragorn & Arwen (Atores Viggo Mortensen & Liv Tyler). 
Demais Imagens Fonte: Arquivos de Lilly Rose.


Muito antes do Ser Humano delimitar fronteiras na Terra, as Fadas e demais Seres Etéricos circulavam livremente pelo Mundo.
A Origem do termo "Fada" provavelmente tem suas raízes na palavra Latina "fatum", que significa Destino ou Fatalidade. Uma clara alusão às Habilidades Etéricas em prever e interferir no Destino Humano.

No Passado, o contato entre Seres Etéricos e Humanos era facto comum. Mas as Fadas em especial, sempre possuíram uma Natureza volúvel, característica esta que hoje aliada à descrença do Homem em relação à existência dos Seres Etéricos, dificulta cada vez mais sua Visualização. Principalmente por Mortais extremamente Céticos, Racionais ou apegados por demais ao Materialismo Mundano.

A Crença no País ou Reino das Fadas é extremamente antiga, e remonta desde a Grécia de Outrora até chegar em seu Ápice, entre as Culturas Celtas e Escandinavas. Para estes Povos do Velho Mundo a existência do Pais das Fadas era facto notório, inquestionávelmente Concreto e Unãnime entre os Seus.

Nas Antigas Grã-Bretanha e Irlanda as Fadas eram normalmente divididas de início em duas Categorias Básicas:

UMA FADA SELVAGEM SOLITÁRIA EM DEVANEIO AO LUAR


A- FADAS SELVAGENS: De Linhagem Inferior, ou menos Evoluídas na Hierarquia Etérica, eram Fadas extremamente arredias ao Contato Humano, e de Natureza indomável e solitária. Seu Habitat natural eram geralmente matas fechadas e de difícil acesso ao Homem.

UMA FADA DOS TROPÉIS A TOCAR SUAVE E MÁGICA MELODIA


B- FADAS DOS TROPÉIS: Diferentes das Fadas Selvagens, estas Fadas apreciavam conviver em alegres Grupos Etéricos. Sua Natureza era mais Evoluída espiritualmente que às das Fadas Selvagens. Eram consideradas a "Aristocracia" do País das Fadas. Dizia-se ainda que eram descendentes diretas dos Antigos Deuses.

Na Categoria das Fadas dos Tropéis estariam inclusas: as "Tuatha de Danaan", o Povo Consagrado da Deusa Celta "Dana", famosa por seus incontestáveis Poderes Mágicos e Destreza em toda a sorte de atividades.

Uma das Magias prediletas das Fadas dos Tropéis chamáva-se GLAMOUR. Ou a Habilidade que possuíam em fazer o Ser Humano visualizar somente o que elas desejassem; "Tudo", ou até mesmo "Nada", quando seu intento seria permanecerem invisíveis aos olhos Mortais.

Comparadas às Fadas Selvagens, cuja natureza era estritamente solitária, as Fadas dos Tropéis além de Belíssimas, apreciavam o contato com o Ser Humano.

AMOR SUPREMA MAGIA QUE UNE REINOS MORTAL E ETÉRICO


Portanto não é de estranhar-se que Antigos Relatos Bretãos atestem o "acasalamento" entre esta Categoria de Fadas (e outros Elementais como Elfas), com Homens do Reino Mortal. Mas o preço a ser pago para vivenciar tão grande Amor, era extremamente alto e arriscado para uma Fada ou Elfa...

Poderiam elas perder parcial ou totalmente sua Essência Etérica, a ponto desse facto levá-las à Morte. Contudo no momemto da União Plena entre Dois Mundos Distintos, nasceria para jamais fenecer, uma Energia provinda deste Mágico Amor, que expandiría-se à Natureza de forma tão bela e intensa, que perduraria Séculos e Séculos, mesmo após a morte das Apaixonadas Fadas ou Elfas.

Estudiosos de Elementais e também Teosofistas, afirmam que destas fantásticas Uniões entre Reinos Etérico e Mortal, teria surgido uma nova Linhagem de Seres Mágicos ( metade Humanos e metade Etéreos). Esta Linhagem sobreviveu ao longo do Tempo e encontraría-se ainda hoje ao nosso redor, sem que nos apercebêssemos de sua Presença...

Ainda segundo Estudiosos do Tema, para um Ser Humano visualizar esta Linhagem, ou mesmo uma Fada ou qualquer outro Ser do Reino Invisível, seria necessário além do Amor ao Próximo e Respeito à Mãe Natureza, outras três Virtudes, cada vez mais raras no Homem Moderno : 

HUMILDADE, GENEROSIDADE E SINCERIDADE.

Aromas de Rosas...

Lilly Rose