sábado, 20 de junho de 2009

UMA HISTÓRIA SEM FADAS - AS CRUZADAS


Texto de Lilly Rose adaptado da Coleção " Templários ", Editora Mythos.
Imagem 1 Fonte: Arquivos de Lilly Rose( Ator Orlando Bloom - Filme Cruzada ). Demais Imagens Fonte: www.google.com

O.B.S : O Texto que se segue procura sintetizar com Respeito um dos mais marcantes episódios da História da Humanidade - As Cruzadas. O Texto em nenhum momento tenciona julgar as atitudes de Cristãos ou Muçulmanos, de outrora ou dos Dias Atuais.

UMA HISTÓRIA SEM FADAS - AS CRUZADAS

As conhecidas "Nove Cruzadas" foram criadas pela Igreja Católica, em Novembro de 1095, final do Século 11 D.C, Período da Idade Média. Naquele tempo, o Papa Urbano II lançaria a Primeira Grande Cruzada ou como ficou conhecida " A Cruzada dos Peregrinos ". Ela surgiria a pedido de um aliado da Igreja Católica, o Imperador Bizantino Aleixo I.
Este tentava sem sucesso deter o avanço dos Turcos sobre Jerusalém.

O objetivo das Cruzadas, era disseminar os Valores Cristãos por todo o Oriente e conquistar definitivamente a Terra Santa. Pois era ela naqueles tempos, e ainda hoje o é para os Cristãos o Supremo Local Sagrado, onde Jesus Cristo morreu e Ressucitou.


As Cruzadas então proseguiram por anos; hora angariando vitórias, hora recebendo vergonhosas derrotas por parte dos Muçulmanos, que também possuíam além de interesses políticos assim como os Cristãos, razãos Religiosas de grande relevância sobre Jerusalém. Pois para os Muçulmanos foi a partir de Jerusalém, que Maomé ascendeu aos Céus.

Em 1118, para fortalecer o movimento das Cruzadas, o Vaticano oficializaria a Criação da Ordem do Templo, ou Ordem dos Templários. Junto aos Cruzados, os Templários deveriam proteger os Peregrinos Cristãos, que partiam da Europa rumo à Jerusalém.

Contudo, em Julho de 1187, qdo a situação parecia favorável aos Cristãos, a Igreja Católica começou de fato a perceber e temer a força e determinação de seu Oponente. Guiados por seu Lider Saladino, os Muçulmanos, após inúmeras batalhas contra os Cristãos, tomaram posse de Jerusalém na épica Batalha de Hattin.

Em contrapartida no ano de 1189 seria lançada a Terceira Cruzada, onde seus Cavaleiros conseguiram tomar a Cidade de Acre, terra do poderoso Saladino, mas mesmo assim não recuperariam o controle sobre Jerusalém.

As Cruzadas a este ponto da História pareciam não ter fim, prolongavam-se por anos e anos, resultando na morte de centenas de Cristãos e Muçulmanos inocentes...



O FIM DA ERA DAS CRUZADAS

Finalmente entre os anos de 1271 e 1272, Eduardo Príncipe da Inglaterra e Carlos Anjou, irmão de Luís IX Rei de França, comandaram juntos a Nona e derradeira Cruzada, para impedir que o Acre voltasse ao domínio dos Muçulmanos.

Esta última Cruzada findou-se em 1291, com a retomada da posse da Cidade de Acre pelos Muçulmanos, seguida da expulsão completa dos Cristãos da Terra Santa. Assim , sem mais a acrescentar, encerrava-se a Triste Era das Cruzadas.


O PODER E FASCÍNIO DOS TEMPLÁRIOS

Os Cavaleiros Templários ultrapassaram os limites da História para tornaram-se verdadeiras Lendas. Mas de onde viria tamanha fascinação por esta Elite de Cavaleiros ?

Simples, se constatarmos os relatos Históricos. A Ordem dos Templários era temida desde o mais corajoso guerreiro Muçulmano até mesmo pela própria Igreja Católica, posteriormente reponsável por sua completa extinção.

Diferente dos Cruzados, os Templários não eram homens comuns, camponeses como a grande maioria das Tropas Cruzadas. Eles tinham uma formação extremamente culta e um rígido e disciplinado treinamento. E ainda provinham normalmente de famílias da Nobreza Européia.

Com tal preparo, os Templários jamais recuavam em Batalhas e dificilmente deixavam-se aprisionar por seus inimigos. Não desperdiçavam também como muitos Cruzados faziam, ao retornarem para casa, os ganhos adquiridos em Batalhas. Seu poderio político e econômico tornou-se tamanho que constituíram uma Ordem extremamente influente e rica. A ponto de conseguirem generalizar as Letras de Câmbio da época, transformando-se assim nos Grandes Banqueiros da Idade Média.



A LENDA TEMPLÁRIA DO SANTO GRAAL

Esta é uma das inúmeras interrogações que cercam o fascinante e misterioso Mundo dos Antigos Templários.

Reza a lenda que ao final da Primeira Cruzada, quando os Cristãos tomaram posse de Jerusalém, Nove Cavaleiros Templários foram agraciados por seus méritos em guerra, com um Lote de terras. Terras estas localizadas justamente sobre os escombros do Antigo Templo de Salomão.

Permaneceram estes Nove Cavaleiros, exatos Nove Anos a realizarem escavações na região e após inúmeras empreitadas, teriam eles encontrado Manuscritos e Tesouros raríssimos da época de Cristo, incluindo o Santo Graal e até mesmo a Arca da Aliança.

Infelizmente os registros Históricos, referentes a esta Lenda constataram não haver provas suficientemente confiáveis ou concretas do resgate destas Sagradas Relíquias, muito menos o destino que as mesmas tiveram, enquanto em posse dos referidos Templários.



Aromas de Rosas Brancas...

Lilly Rose

sexta-feira, 19 de junho de 2009

LUZ - MÃE, MENTORA DE TODOS OS INICIADOS


Texto de Wagner Borges, extraído de www.ippb.org.br. Poema " O Pássaro da Manhã, Rabindranath Tagore, Poesia Mística- Lírica Breve, Editora Paulus.
Imagem 1 Fonte: www.renderosity.com - Imagem 2 Fonte: www.google.com


A LUZ - MÃE E MENTORA DE TODOS OS INICIADOS

A confiança de um Iniciado está na Luz.
É Ela que o guia em todas as jornadas.
Ela é sua força diante das adversidades.
Por Ela, ele ama e trabalha.

Às vezes, Ela entra pelo alto de sua cabeça.
Outras vezes, pelos seus pés e pela base de sua coluna.
Mas Ela sempre procura o seu Coração.
Ela sabe onde o Espírito mora.

E ele a recebe como a uma Mãe querida.
Os seus Mestres o ensinaram bem. Eles lhe disseram:
"Respeite a Luz, e Ela o dignificará!"
Por respeito a Ela, ele respeita a si mesmo, e aos outros.

Pois ele a vê em cada ser. E sabe que Ela é Mãe deles também.
Mesmo que eles ainda não saibam disso, ele sabe.
E isso basta para ele ser como é... Pelo tempo que vier.
Nada pode separá-lo da Luz. Ele é Filho d'Ela!

E ele jamais trairá sua Mãe, por nada nesse Mundo (e nem no Outro).
Pois ele se fia n'Ela, em qualquer condição ou plano de vida.
Ah, o iniciado sabe que é só veículo da Luz e que é d'Ela que emana todo poder.
Por isso, ele jamais se vangloria de coisa alguma. Sabe que, sem Ela, ele é nada.

E com Ela, o amor se faz em seu coração... E ele avança na senda.
Por Ela, ele ora. Muitas vezes, chora, pois sente o toque d'Ela transformando-o.
E sente mais: através dele, a transformação de outros, algures...
Pois o amor viaja em silêncio, por entre os planos, por obra e graça d'Ela.

Por vezes, ele sente o coração de outros iniciados, também trabalhando em silêncio.
Ele sabe que os valores de Liberdade, Igualdade e Fraternidade são os mesmos de todos eles.

E eles se encontram na mesma Luz, que é a Mãe de todos eles, de todos os lugares.
Eles se sentem e se tocam, de coração a coração, na mesma Egrégora* que abraça o Mundo.

Eles se encontram longe dos olhares vazios, algures, no mesmo Grande Coração...
Ah, o Iniciado sabe com quem anda, no Mundo dos Homens, e no dos Espíritos.
Em ambos, ele anda fiado na Luz. Ela é sua Mãe, e ele jamais a trairá, por nada!
Ele aprendeu bem: o Poder vem d'Ela. Ele é só seu veículo...

Ele reconhece seu papel e por isso, a arrogância não turvou o seu olhar de frieza.
E seu Coração virou Sol! E ele caminha agradecido pela senda. Essa é sua Riqueza.
E por onde ele segue, o Amor se faz, pela Luz...**


Liberdade, Igualdade e Fraternidade.
Paz e Luz.

* Wagner Borges.


NOTAS DE WAGNER BORGES
* Egrégora - do grego "Egregorien", que significa "velar", "cuidar" - é a atmosfera coletiva plasmada espiritualmente num certo ambiente, decorrente do somatório dos pensamentos, sentimentos e energias de um grupo de pessoas voltado para a produção de climas virtuosos no Mundo.

É a Atmosfera psíquica resultante da reunião de grupos voltados para trabalhos e estudos baseados na LUZ. Pode-se dizer que toda reunião de pessoas para a prática do Bem e da Virtude - independentemente de linha espiritual - forma uma Egrégora específica, uma verdadeira Entidade Coletiva Luminosa, à qual se agregam várias outras consciências extrafísicas alinhadas com aquela sintonia espiritual para um trabalho interconsciencial.

Provavelmente foi por isso que Jesus ensinou: "Onde houver dois ou mais em meu nome, aí eu estarei."
Muitos dizem que não se deve misturar Egrégoras de trabalhos diferentes, porém, quando o Amor se manifesta, desaparece qualquer Ideologia Doutrinária, e só fica o que interessa: a LUZ.

No dia em que os Homens despertarem para climas mais Universalistas e Cosmoéticos, com certeza esse Mundo será melhor de viver.
Viva a LUZ, pouco importa o nome, o Grupo ou a Doutrina que fale dela. E viva os Mentores Espirituais que ajudam a todos, independentemente de Credo, Raça ou Cultura esposada.

Enquanto passava essas linhas a limpo, lembrei-me de um Poema de Rabindranath Tagore( 1861 - 1941 )," O Pássaro da Manhã - Parte 25 ", o Grande Poeta Místico Indiano. Deixo-o na sequência como um Coroário de Luz ao final desses escritos.



O PÁSSARO DA MANHÃ - POR RABINDRANATH TAGORE
" O Pássaro da manhã já está cantando. Quem é que lhe traz as notícias do dia antes que desponte o amanhecer, quando o Dragão da Noite ainda mantém o Céu preso em suas escuras e frias espirais?

Pássaro da manhã, conta-me como foi que o Mensageiro do Oriente encontrou o caminho para chegar ao teu sonho, em meio à dupla noite do Céu e das Folhas?
O Mundo não acreditou quando gritaste: "A Noite se foi! O Sol está chegando!"
Desperta, ó tu que dormes! Descobre tua fronte, esperando a primeira Bênção da Luz e, cheio de alegre Fé, canta junto com o Pássaro da manhã. "

(Extraído do Livro "Poesia Mística - Lírica Breve" - Editora Paulus).

POR WAGNER BORGES.


Aromas de Madeiras do Oriente...

Lilly Rose

segunda-feira, 15 de junho de 2009

" AS FADAS E SUAS VARINHAS DE CONDÃO "


Texto baseado em Pesquisas de Lilly Rose. O.B.S: Este texto não é Indicado para Crianças.
Imagem 1 Fonte: www.renderosity.com - Imagem 2 Fonte: Presente de Regina Borges.


" AS FADAS E SUAS VARINHAS DE CONDÃO "

Se há algo que as Fadas apreciam em sua indumentária, por certo é a Varinha de Condão. Mas agora vem a pergunta. Qual a origem das famosas Varinhas de Condão que tanto amam as Fadinhas ??

Existem muitas Lendas para explicar esta questão. Mas sintetizaremos aqui as duas mais conhecidas, e que de acordo com estudiosos do tema, são provavelmente as mais confiáveis.

1- A referência mais antiga sobre Varinhas de Condão remonta de manuscritos da Antiga Grécia.

A primeira Varinha Mágica chamou-se CADUCEU. Era confeccionada toda em Ouro puro e de acordo com a Lenda na qual está inserida, teria sido um presente do Filho do Grande Zeus, Apollo ao Deus Mensageiro do Olimpo, Mercúrio.

Mercúrio, como todos os demais Deuses possuía poderes fantásticos, mas era ele também um Mago e decidiu transformar seu presente em uma Varinha, não mais de Ouro e sim numa Varinha em Madeira de Condão ( o verbete Condão significa Dom, Carisma, Graça ou Poder ).

2- Outra versão para a Origem das Varinhas de Condão relaciona-se à Lenda de uma famosa Maga de nome Circe. Durante seus Trabalhos Mágicos Circe não dispensava o uso de sua poderosa Varinha de Condão.

CONSIDERAÇÕES ÚTEIS SOBRE A CONFECÇÃO E USO DAS VARINHAS DE CONDÃO


As mais Antigas Tradições afirmam que uma legítima Varinha de Condão deve ser confeccionada (jamais comprada ) por seu próprio e futuro dono(a), para que nela possam-se impregnar somente as Energias Benfazejas de seu Mago ou Maga.

* Outro Detalhe muito Importante: Varinhas de Condão não podem ser utilizadas para pedidos ímpios, indignos ou impuros, somente para o Bem de si ou de outrem.
E para utilizá-las em Trabalhos Mágicos, deve anteceder-se um Ritual de Consagração e Unção com Ervas e Óleos Aromáticos, da preferência do Mago ou Maga.

* É também preferencial para a eficácia de uma Varinha de Condão, que a mesma seja entalhada em madeira de uma Aveleira. E que tal madeira tenha sido cortada por uma faca jamais usada.

* Antes e depois do corte, o(a) Mago(a), deverá agradecer com Fé e Humildade à Árvore e à Mãe Natureza por terem-lhe proporcionado os meios para confeccionar sua Varinha de Condão e prometer somente Bom uso dela fazer. É costume também deixar abaixo da Árvore um pequeno presente, como uma delicada e graciosa Bijouteria ou Flores.


Aromas de Avelãs...

Lilly Rose

domingo, 14 de junho de 2009

" OS AMORES E PODERES DAS BELAS FADAS "



Texto de Lilly Rose - Adaptado dos estudos de Lilly Rose, H. Gerenstadt, Avalon e o Graal, Editora Madras e William Shakespeare, Tragédias (Romeo and Juliet), Editora Abril.
Imagem 1 Fonte: www.renderosity.com - Imagem 2 Fonte: www.google.com - Imagem 3 Fonte: www.google.com ( Romeo and Juliet, Filme de Franco Zeffirelli - Ano 1968)

OS AMORES E PODERES DAS BELAS FADAS

Notório é dentro do Esoterismo, que Elementais são tão ou mais antigos que a própria existência do Ser Humano. Também é fato corrente que as Fadas, de longe são os Seres Etéricos mais apreciados pelo Mundo Mortal.
A Origem das Fadas perde-se no tempo e no espaço, quando tentamos compreendê-la mais aprofundadamente. Mas não há como negar que os relatos mais consistentes sobre estas fantásticas criaturas mágicas, surgiriam com a Civilização Celta ( 1.800 Anos A.C aproximadamente ), nas terras da antiga Bretanha.

Mestras da Magia, as Fadas passaram então a simbolizar poderes paranormais do Espírito e capacidades Mágicas incontestáveis para a imaginação Humana.

Famosas por sua vaidade e temperamento instável, as Fadas seriam detentoras de extraordinárias transformações e proezas. Contudo, num instante conseguiriam satisfazer ou decepcionar os mais ambiciosos desejos Humanos(?).

Analisando-as por um prisma estritamente psicológico, talvez sua instabilidade, represente a capacidade que o Homem apresenta em construir ou destruir, através de sua imaginação, idealizar projetos exequíveis ou não.

BANSHEE - A FADA IRLANDESA DETERMINADA E APAIXONADA

Uma das Fadas mais populares do Ocidente é a Fada Banshee, da qual Fadas de outros Países Célticos são equivalentes, portanto inclusas num conceito semelhante.
De início a imagem de uma Fada, personagem que indissoluvelmente confunde-se com a figura da Mulher, é considerada por nós como uma Mensageira do Mundo Invisível ou Etérico. A maioria das Fadas costumam viajar sob a forma de Pássaros, preferencialmente Cisnes.

A Fada Banshee seria um Ser dotado de pura Magia. Não estaria submetida às limitações das três Dimensões conhecidas. Quando apaixonada por um Mortal ( aliás, as Fadas não experimentam este belo Sentimento de forma tão intensa com seus companheiros Etéricos, sua preferência romântica por Homens do Reino Visível é notória ) Banshee entrega uma maçã ou um galho ao seu eleito. Tais presentes apresentarão então, qualidades extremamente poderosas da Fada, pois neles ela impregna todo o seu Amor, a maior Magia dos Reinos Mortal e Etérico.

Dizem as antigas Lendas Celtas, que nem o mais poderoso dos Druídas ( os Sumos Sacerdotes da Civilização Celta ), conseguiriam reter o Homem que por Banshee fosse escolhido para seu Amor. E quando a Fada afastava-se temporariamente de seu Amado, este caía em estado de prostração, até que ela retornasse aos seus braços.

ROMEU E JULIETA,UNIDOS SOMENTE NO REINO DAS FADAS ?


Em toda a História de nossa Civilização o único Mortal que talvez tenha melhor entendido a Natureza das Fadas foi o Poeta Inglês William Shakespeare ( 1564 - 1616 ).
Em uma de suas mais conhecidas e belas Tragédias " Romeo and Juliet ", Shakespeare descreveu magnifica e poeticamente a Ambivalência de uma Fada, capaz de quando gravemente ferida em seus sentimentos, transformar-se em Feiticeira, ou Portadora de maus Presságios.

Para melhor entendermos esta analogia seguem-se aqui versos que integram o diálogo entre Mercúrio e seu primo Romeu Montechio, ao encaminharem-se para a Festa ( ou como antigamente era chamada " Mascarada " ) na Casa dos Capulletos. Festa, esta na qual Romeu conheceria sua amada Julieta.


" ROMEU - Temos boa intenção, indo a esta Mascarada, mas constitiu uma falta de Juízo.

MERCÚRIO - Por quê ? Pode-se saber ?

ROMEU - Tive um Sonho esta noite...

MERCÚRIO - E eu outro.

ROMEU - Bem, qual foi o teu ?

MERCÚRIO - Que os Sonhadores quase sempre mentem !

ROMEU - No leito dormem sonhando coisas verdadeiras.

MERCÚRIO - Oh ! Vejo pois, que já estivestes contigo Mab, a Rainha das Fadas ! Ela é a parteira das ilusões e chega em tamanho menor que a pedra de uma Ágata.
Que brilha no dedo indicador de um conselheiro municipal, arrastada por minúsculos Corcéis, a passear pelas narinas dos Enamorados enquanto estão a dormir."

....Esta é a mesma Mab, que trança a crina dos Cavalos à noite e cola as grenhas ( cabelos ) dos Duendes em sujos e feios nós, que uma vez desemaranhados, prognosticam grandes desgraças..."

WILLIAM SHAKESPEARE - ROMEO AND JULIET - ATO I. CENA 4

O.B.S: Este talentoso Poeta inglês abordou diversas vezes o fascinante Mundo das Fadas, como em Sonetos e em uma de suas mais graciosas Comédias " Sonhos de Uma Noite de Verão ", igualmente transformado em Filme em 1989, com a atriz Michelle Pfeiffer no papel da Bela Fada Titânia, Direção de Michael Hoffman.

Após refletirmos sobre os devaneios poéticos de Mercúrio, poderíamos nos perguntar:

Teria Mab a Rainha das Fadas, alertado ou iludido Romeu, despertando em seu coração o incontrolável Amor por sua Bela Julieta ? A resposta está em seu Coração !


Aromas de Rosas Brancas...

Lilly Rose